Tonglen: Dar e Tomar para si

De início, pode ser difícil pensar em tomar para si o sofrimento de todos ao mesmo tempo. O processo pode parecer devastador ou abstrato demais. Em vez disso, comece visualizando um ou dois seres, cujo sofrimento seja particularmente comovente para você, por quem seja fácil sentir compaixão. Contemple o sofrimento deles e coloque-se naquela situação, imaginando o que é passar por aquilo. Quando a compaixão surgir, com o desejo fervoroso de aliviar o sofrimento e assegurar a felicidade deles, faça a seguinte meditação:

Siga o ritmo natural da respiração. Visualize que, quando você inspira pelo nariz, toma para si todas as causas e condições do sofrimento daqueles seres na forma de uma luz mortiça e escura. Imagine que eles se libertam completamente de seu penar. A cada expiração, visualize que você está enviando, e eles estão recebendo, na forma de uma luz pura e radiante, todas as suas qualidades positivas e amorosas, e todas as fontes concebíveis de felicidade duradoura.

Repita a meditação, dessa vez visualizando uma ou duas pessoas pelas quais você sinta intensa raiva ou aversão. Expanda a visualização para incluir todas as pessoas por quem você sente isso. Conforme sua meditação se aprofunda e seu coração se abre, aumente aos poucos o âmbito de sua visualização, incluindo grupos maiores de pessoas, até que seu amor e compaixão abracem todos os seres por toda a existência.

https://teenbuddha.files.wordpress.com/2013/03/lily_pad_lotus_flower.jpg?w=489&h=326

Fonte da imagem: https://teenbuddha.com/2013/03/03/what-is-compassion/

– Chagdud Tulku Rinpoche, trecho extraído do livro “Para Abrir o Coração”, cap. 6, Ed. Makara.

Anúncios

A fonte de todas as dificuldades e conflitos está na mente. Portanto, a solução de todas as dificuldades e conflitos está na transformação da mente. Para isso, praticamos a meditação.

– Chagdud Tulku Rinpoche, trecho extraído do livro “Para Abrir o Coração”, Ed. Makara.

chagdud-rinpoche-52.jpg

Imagem extraída do site Maryworks.

Tentamos viver negando a morte

A morte e o morrer é um tema que evoca emoções tão profundas e perturbadoras que geralmente tentamos viver negando a morte. Entretanto, podemos morrer amanhã, completamente despreparados e impotentes. O momento da morte é incerto, mas a verdade da morte não. Todos os que nasceram certamente morrerão.

As pessoas frequentemente cometem o erro de banalizar a morte e pensam: “Ah, bem, a morte acontece para todos. Não é um grande problema, é natural. Vou estar bem.”
Essa é uma boa teoria até que estejamos morrendo. Então experiência e teoria se diferenciam. Então nos tornamos impotentes e tudo que nos é familiar se perde. Somos esmagados por uma grande turbulência de medo, desorientação e confusão. Por esta razão é essencial nos prepararmos com antecedência e bem para o momento em que a mente e o corpo se separam.

Existem muitos métodos, extraordinários e comuns, para nos prepararmos para a transformação da morte. O mais grandioso deles resulta em iluminação durante a vida. Na iluminação, a morte não tem relevância para o nosso estado de ser. A realização da iluminação é imortal, mas requer uma prática perfeita de meditação.

Se a iluminação imortal não for alcançada nesta vida, a própria transição da morte oferece outra oportunidade suprema para podermos alcançá-la. Mas, mais uma vez, realizar o potencial dessa oportunidade depende de termos dominado certas habilidades meditativas.

A iluminação é a consecução mais elevada da transição da morte, mas não é a única. Se a realização meditativa for incompleta mas tivermos desenvolvido o poder da oração, poderá haver liberação para um ambiente de perfeita bem-aventurança, livre de sofrimento, através da invocação das bênçãos dos seres de sabedoria iluminados. (p. 1-2)

– Chagdud Tulku Rinpoche, trecho extraído do livro “Vida e Morte no Budismo Tibetano”.

Lama Yeshe em Blumenau/SC, dia 22 de setembro

Na sexta-feira (22/09), às 19h30min, receberemos a visita de Lama Yeshe Drolma de Curitiba/PR.

Lama Yeshe concederá ensinamentos sobre o tema “Transformando a Mente” para a sanga de Blumenau. O evento é aberto a todos os interessados.

Será um momento muito especial! Aproveite a oportunidade para compreender o darma e gerar méritos. 
 

 

Lama Yeshe Drolma

“Transformando a Mente”, ensinamentos com Lama Yeshe em Blumenau/SC

Data: 22/09/2017 (sexta-feira).

Horário: 19h30min.

Local: Gandharva Yoga e Terapias.

Rua Epitácio Pessoa, 73 – Vila Formosa.
Blumenau/SC (vindo do Centro, ao final da Alameda Rio Branco, vire à direita).

Contribuição espontânea sugerida: R$ 30.

 

***Possam todos os seres se beneficiar.***

Lama Yeshe em Florianópolis, dias 23 e 24 de setembro

A imagem pode conter: 1 pessoa, sentado e close-up

Com grande alegria, comunicamos que Lama Yeshe estará conosco no próximo final de semana, dias 23 e 24 de setembro, com a seguinte programação:

Sábado (23/09)

14:30 horas: Ngondro (RESTRITA PARA QUEM JÁ ESTÁ PRATICANDO OU TEM AUTORIZAÇÃO DOS LAMAS OU TEM A INTENÇÃO DE INICIAR)

18 horas: Tara Vermelha (versão longa), Amitaba e Sur (EXIGE INICIAÇÃO)

Domingo (24/09)

14:30 horas: Shamata*, meditação silenciosa do calmo permanecer (PRÁTICA ABERTA)
*A meditação Shamata nos ajuda a focar a mente e acalmar o fluxo de pensamentos, melhorando nossa concentração e aliviando as emoções aflitivas.

18 horas: Ensinamentos – Introdução ao Budismo (PRÁTICA ABERTA)

19 horas: Prática de Tara Vermelha, com ensinamentos (PRÁTICA ABERTA)

Contribuição: R$ 50,00 (R$ 40,00 para quem faz contribuição mensal regular).

Somente sábado ou domingo: R$ 30,00

Todos são bem-vindos!!!

Fonte: https://www.facebook.com/events/1787227364908407

Lama Tsering Everest: Introdução ao Budismo [áudio do ensinamento em inglês, com tradução]

Introdução ao Budismo – parte 1

Introdução ao Budismo – parte 2

 

Fonte: Chagdud Gonpa Odsal Ling.

Pergunta e Resposta

PERGUNTA: “Despertar” significa que tudo aquilo que vemos, ouvimos e saboreamos irá desaparecer?

RESPOSTA: Quando despertamos para nossa verdadeira natureza, o mundo dos fenômenos como o conhecemos não desaparece, mas nossas reações a ele se modificarão e, na mesma proporção, nosso sofrimento diminuirá. Se, em meio a um sonho aterrorizante, de repente, percebermos que estamos sonhando, apesar de o sonho necessariamente não desaparecer, o medo desaparecerá. Somos impotentes quando nos deparamos com nossas esperanças e medos, gostos e desgostos e, porque acreditamos que tudo isso é verdadeiro, somos subjugados por toda sorte de eventos. Se percebermos que o que quer que surja é ilusório, não lhe daremos validade, e aquilo não terá o mesmo poder sobre nós. Em consequência, não experimentamos tanto sofrimento.

Em vez de ficarmos presos em nossas experiências, que são como um sonho, sejam elas felizes ou tristes, precisamos enxergar além de seu caráter impermanente e ver sua essência. Conhecer essa essência é o chamado “grande conhecimento”; conhecer apenas a realidade comum e a solidez aparente das coisas é o chamado “conhecimento comum”. A diferença entre eles é como a diferença entre os dois caminhos: o caminho do sonho – de sofrimento incessante – e o grande caminho da realização. O grande conhecimento é a base para transformarmos experiência comum em realização da verdade absoluta.

– Chagdud Tulku Rinpoche, trecho extraído do livro “Portões da Prática Budista”, cap. 4.

Práticas e ensinamentos com Lama Rigdzin e Lama Yeshe, dias 26 e 27 de agosto em Florianópolis

Imagem relacionadaFoto: http://www.rigdjed.org

Com grande alegria, comunicamos que Lama Yeshe e Lama Rigdzin estarão conosco no próximo final de semana. A programação será a seguinte:

Sábado
9:00- 10:30h – Prática de Manjushri (EXIGE INICIAÇÃO – restrita para os que estão fazendo esta acumulação)

10:30 – 12:00h – Shamata*, (PRÁTICA ABERTA A TODOS)
A meditação Shamata nos ajuda a focar a mente e acalmar o fluxo de pensamentos, melhorando nossa concentração e aliviando as emoções aflitivas.

14:30h – 16:30h – Ngondro (para quem está fazendo esta prática e tem as iniciações, ou tem autorização dos Lamas ou gostaria de iniciar)

17 h – Prática regular de sábado (EXIGE INICIAÇÃO)

Domingo
14 – 17h – Ensinamentos sobre os 37 pontos da prática do Bodisatva (ABERTO A TODOS)

18 h – Ensinamentos introdutórios (ABERTO A TODOS)

19h – Prática de Tara (PRÁTICA ABERTA A TODOS)

Contribuição:
Final de semana completo: R$ 80,00 reais (R$ 70,00 para quem faz contribuição mensal regular)
Somente sábado ou domingo: R$ 40,00 reais

Fonte: http://www.budismofloripa.com.br/

Transmissão da Prática de Tara Vermelha ao Vivo de São Paulo

https://budismoemblumenau.files.wordpress.com/2017/08/c4997-res_taravermelha.jpg?w=604

Prática de Tara Vermelha ao vivo com Lama Norbu

Terça-feira, 20h


A sangha de SP sempre se reuniu nas noites de terça-feira para fazer a prática de Tara concisa em português.

Vamos manter essa tradição, agora com transmissão ao vivo pela Internet, para que todos possam participar, onde quer que estejam.

Nesta terça (15/8), teremos a presença de Lama Norbu.

Participe clicando aqui!